Faça um case para seu leitor de ebooks usando uma caixa de DVD

Olha que legal: uma caixa de DVD comum funciona muito bem como case de transporte para um Kindle, Kobo e alguns outros modelos de leitores de livros digitais. Ou seja, se seu dispositivo tiver medidas de até 185 x 120 x 10 mm provavelmente cabe dentro de uma simples caixa de DVD. É rápido de fazer, eficiente e barato.

Você vai precisar de:

    Uma boa caixinha de DVD que feche bem.
    Um pedaço de TNT ou tecido fino e macio
    Cola escolar ou cola quente
    Dois pedaços pequenos de bastão de cola quente ou algo similar
    Dois pedaços de papel cartão ou papelão do tamanho do ereader
    Tesoura, faca ou estilete e um alicate

caixa1

Comece soltando o plástico da capa e cortando o suporte central onde vai preso o disco, deixando apenas as beiradas laterais que vão firmar o aparelho para que ele não fique dançando para os lados. Cuidado para não rachar a caixa toda.

Se você conseguir retirar apenas o necessário para encaixar o tablet, melhor, não vai precisar usar o cartão como reforço na parte traseira, mas isso é difícil de conseguir.
caixa2

Quebre as duas linguetas da parte interior, cole o cartão de papel grosso ou papelão na parte traseira da caixa e prenda novamente por cima o plástico da capa.

caixa4

caixa5

Cole o forro de TNT ou tecido e o cartão que vai proteger a tela do ereader. Quanto mais rígido esse cartão for, melhor, desde que seja fino e leve.

Usando o próprio aparelho como gabarito, fixe os dois pedaços de qualquer coisa na parte superior e inferior para que ele não fique sambando dentro da caixa durante o transporte. Dois pedacinhos de bastão de cola quente envoltos por TNT funcionam bem.

caixa7

caixa8

Pronto! Agora arranje uma capa bacana (ou nada a ver, como a minha) e corra pro abraço.

caixa9

 

Anúncios

O fim das livrarias pequenas?

Finalmente a Amazon abre as portas no Brasil e traz seu Kindle, seguida pelo Google que começou a oferecer livros para dispositivos com Android. E já faz alguns dias que a Apple também abriu sua seção de livros no país. Até mesmo a livraria Cultura que foi mais ou menos esperta e independente ao oferecer o Kobo no Brasil.

Por enquanto os preços das versões digitais estão muito próximos aos de papel mas a tendência é queda conforme aumente o interesse dos consumidores.

É um caminho sem volta. Bom para os leitores, ruim para pequenas livrarias e, penso eu, para os sebos, que provavelmente vão tender para um perfil mais próximo ao de antiquários. É o futuro.

E o futuro sempre vem, quer a gente queira ou não, goste ou não.

Considerações atuais sobre o Positivo Alfa e outros e-readers

Comprei o Positivo Alfa já na pré venda, em julho de 2010. Assim que o recebi, virei ele do avesso e logo fiz um review. Horas depois descobri e ensinei um truque para tirar melhor proveito do aparelho.

Isso já está completando um ano e o cenário dos aparelhos portáteis mudou bastante nesse período. Na época, o Kindle e o Nook já se consolidavam como ótimos suportes substitutos do papel, enquanto que vários e-readers similares começavam a pipocar (o Alfa entre eles). Também aconteceu o sucesso avassalador e chegada ao Brasil do iPad da Apple, trazendo de arrasto trocentas cópias e similares e tomando até espaço dos aparelhos específicos dedicados a leitura. Quem não acreditou na supremacia desse tipo de equipamento, agora dobra a língua ao ver que o formato deu certo e veio pra ficar.

Como meus posts específicos sobre o Alfa alcançaram um sucesso estrondoso, mesmo já indo lá um ano, ainda recebo milhões de mensagens contendo muitas dúvidas acerca de ler usando dispositivos eletrônicos. Achei que seria bom pontuar algumas coisas a cerca do Alfa e dos leitores na atualidade.

Eu estou (ainda) tentando vender o meu Alfa. Se você leu esse post aqui, deve saber por quê. Mas enquanto não consigo convertê-lo em grana, continuo tranquilamente usando-o. Não me entenda mal, gosto dele mas acredito que vou gostar mais ainda de um iPad

Pois bem. Dividi em tópicos as principais dúvidas e ideias a cerca do Alfa, tablets e leitura digital.

O Alfa é um bom leitor?

Sim, é. Como leitor dedicado exclusivamente à leitura, ele não deixa nada a desejar frente ao Kindle, por exemplo. O problema do Alfa é unicamente a marca. A Positivo cometeu dois erros com o Alfa: primeiro no firmware porcamente feito e cheio de limitações. Felizmente isso pode ser resolvido, pois existem outras opções que melhoram muito a experiência de uso do aparelho. O segundo erro é imperdoável e se divide em 3: a qualidade do material, a garantia e a assistência técnica.

Se você procurar na web, encontrará vários relatos de consumidores que tiveram a desagradável surpresa de verem seus leitores pararem de funcionar de uma hora para outra, às vezes não sabendo a causa ou mesmo após um leve aperto na tela ou pequena queda. E quando procuram a assistência técnica, mesmo se oferecendo para pagar o conserto, descobrem que o aparelho não é do tipo que se desmonta e substitui-se uma peça danificada. Se o aparelho quebra, vai todo pro lixo e a garantia da Positivo se exime de qualquer dever em trocar o produto. É a velha fama de produtos de baixa qualidade que a Positivo aparentemente não se importa de carregar. O Alfa é montando na China, como quase tudo atualmente, e é apenas um dos muitos clones do N618 da 4FFF. O que muda em relação aos outros? O controle de qualidade, que no caso da Positivo, fica próximo ao chão.

Então, fica o meu conselho se você possui um Alfa: trate-o com carinho e segure-o com as duas mãos, como se ele fosse um livro muito raro.

Outra coisa a se lamentar é o preço, que continua salgado. Felizmente agora existem concorrentes, como esse aqui, por exemplo.

Não é ruim ler em telas eletrônicas?

Depende unicamente dos seus olhos e da tela em questão. Faça um teste: reduza bem o brilho do seu monitor e tente ler um texto longo nele. Se você chegar ao final sem se incomodar, ficar com olhos ardendo ou se sentir desconfortável, parabéns, você se adaptou sem problemas.

Se foi incomodo, ainda existe uma chance de você se dar bem com telas e-paper, que são aquelas que não emitem brilho e são feitas apenas e tão somente para leitura. São essas que vem em aparelhos similares ao Kindle, como é o caso do Alfa. Se você nunca viu uma de perto, acredite, é bem interessante. Veja isso para ter uma ideia melhor do que estou falando.

Se ler no monitor não foi ruim, você com certeza gostará muito de olhar uma tela e-paper e também se dará muito bem lendo num iPad.

O que é melhor pra ler, um leitor tipo Alfa ou um tablet como o iPad?

São propostas diferentes e não devem ser comparados. Nos dois é possível ler, mas apenas com um você pode fazer isso debaixo do sol ou encostado numa árvore num dia claro e lindo. Por outro lado, com o outro você também assiste vídeos e pode jogar games, editar textos etc. Um grande diferencial que conta muito na hora de se recostar para ler é que o Kindle ou o Alfa são super leves, enquanto que o iPad (e outros tablets em geral) pesam mais ou menos meio quilo. Isso pode fazer muita diferença.

Ler no papel não é bem melhor do que nessas bugigangas?

Você decide isso. Eu poderia ficar aqui falando sobre como esse fetiche do papel está fadado a desaparecer ou então como é bacana estar lendo um livro normal e uma garota se interessar pelo título e puxar conversa, mas não vou. Só posso falar de mim, então vou contar um fato corriqueiro que aconteceu comigo.

Comecei a ler um livro que por coincidência também possuia em formato digital. Ora, optei por ler a versão em papel porque eu realmente prefiro ler no papel. Mas aconteceu que o livro era grosso e um tanto quanto pesado, bem mais que os 240 gramas do Alfa. Então troquei o papel pelo digital e continuei lendo o livro da maneira que considerei mais confortável. Pronto.

Pra quem já leu muitos livros grossos usando um Palm m125 e um Samsung BlackJack, o Alfa é um paraíso. Mas talvez você não tenha essa facilidade que eu considero uma versatilidade minha. Pra você talvez seja incomodo ler em superfície que não seja de papel. Muitas pessoas são assim. Atente apenas para ter certeza de que não é um bloqueio apenas de hábito ou cultural.

Se você gosta bastante de ler e/ou precisa ler muito e está indeciso em investir ou não num leitor dedicado, aconselho que você pegue nas mãos e experimente um desses genéricos do Kindle.

É isso.