Os ciclos do conhecimento

As pessoas em geral têm dificuldade de perceber o mundo como um lugar onde quase tudo é cíclico. Nasce-se e morre-se enquanto as coisas meio que se repetem sem que tomemos consciência.

Não há nada de novo debaixo do sol e, ao mesmo tempo, tudo se renova. Pra você ver o quanto isso vai longe, veja:

Nossa juventude adora o luxo, é mal educada, caçoa da autoridade e não tem o menor respeito pelos mais velhos. Nossos filhos hoje são verdadeiros tiranos. Eles não se levantam quando uma pessoa idosa entra, respondem a seus pais e são simplesmente maus.
Sócrates, 470-399 AC

Não tenho mais nenhuma esperança no futuro do nosso país se a juventude de hoje assumir o poder amanhã, porque essa juventude é insuportável, desenfreada, simplesmente horrível.
Hesíodo, 720 AC

Nosso mundo atingiu seu ponto crítico. Os filhos não ouvem mais seus pais. O fim do mundo não deve estar muito longe.
Sacerdote desconhecido, 2000 AC

Essa juventude está estragada até o fundo do coração. Os jovens são malfeitores e preguiçosos. Eles jamais serão como a juventude de antigamente. A juventude de hoje não será capaz de manter a nossa cultura.
Escrita em um vaso de argila de 4000 anos descoberto nas ruínas da Babilônia, atual Bagdá

Essas constatações e lamentos soam extremamente pertinentes e atuais e, no entanto, o mais recente é de 2600 anos atrás. Todos são de outros tempos, de culturas e sociedades diferentes. A desconfiança com o novo e a supervalorização do velho está aí desde que o mundo é mundo.

Podemos aplicar essa tendência a uma discussão muito comum nos dias de hoje: a decadência ou não do livro de papel. De um lado há os que afirmam com toda convicção que o livro de papel nunca desaparecerá e de outro os que preveem seu fim histórico.

A história do livro é bastante conturbada e se confunde com a evolução do homem e do pensamento racional. Mais significativa que a evolução do livro é a da palavra escrita, ou seja, do pensamento registrado.

O livro como o apanhado de textos organizados e delimitados que conhecemos surgiu há bem pouco tempo na história da humanidade e foi somente com o advento da prensa de Gutenberg que ele tomou forma de objeto prático e funcional, além de acessível. Foi um longo caminho para o pensamento humano desde os primeiros rabiscos em paredes de cavernas e tabuletas de barro, passando pelos rolos de papiro e pergaminho.

No filme A máquina do tempo, de 2002, baseado na história homônima de H. G. Wells (mas tão diferente que é odiado por muitos) o protagonista reencontra oitocentos mil anos depois o guia fotônico da biblioteca pública de Nova Iorque, uma espécie de supercomputador inteligente que encerrava em si todo o conhecimento humano e que podia ser acessado através de um holograma na simpática e estranha figura de Orlando Jones. Enquanto os livros viravam pó, naquela única máquina residia tudo o que o homem construiu antes de se autodestruir.

Gosto muito dessa cena. A ideia de um robô ou computador inteligente que sabe tudo me atrai bastante, principalmente nessa aplicação tão bonita de realidade aumentada.

Como será o futuro? Teremos isso algum dia? Não sei, ninguém sabe, mas a ponte que possibilitaria isso está sendo atravessada. Uma nova ponte, muito diferente de outras e ao mesmo tempo bastante similar. Mais um grande salto que torna o registro e o acesso ao conhecimento muito mais flexível e eficiente.

Por mais apegados que sejamos ao livro como objeto do nosso tempo e por mais que desejemos que ele viva para sempre, devemos em primeiro lugar ser pragmáticos e enxergar as coisas de forma ampla. Isso envolve ver o mundo por um angulo otimista, só para variar.

Publicado por

Roberto Strabelli

Pode conter traços de gente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s